12 setembro, 2014

Um depósito de ferragens transformado em Lira

Postado por Isabela Gaglianone

“Era ali que as coisas aconteciam… Era uma espécie de catacumba, onde se faziam muitas coisas que não aconteciam na superfície” (Luiz Tatit).

Festa do Lira Paulistana, 1983.

Entre 1979 e 1986, na rua Teodoro Sampaio, funcionou o lendário Teatro Lira Paulistana que agora, depois de ter-se tornado documentário em novembro do ano passado, ganha registro impresso no livro Lira Paulistana – Um delírio de porão, escrito por Riba de Castro, lançado ontem à noite em São Paulo. Quem perdeu o lançamento, pode, hoje à noite, ver a exibição do documentário Lira Paulistana e a Vanguarda Paulista, seguida de um bate-papo, na Biblioteca Alceu Amoroso Lima, na Rua Henrique Schaumann, 777, em Pinheiros, São Paulo.

Riba de Castro foi um dos sócios do Lira Paulistana e, no livro, conta a história daquele significativo pólo cultural paulistano. O volume é ilustrado por vasto material iconográfico, entre fotografias, cartazes de divulgação, capas de livros, discos e jornais produzidos pelo teatro, além de depoimentos de artistas, produtores culturais e jornalistas. Realizado com o apoio da Lei de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, o livro tem patrocínio da Natura Musical: o resultado dos incentivos é o preço, quase simbólico do livro (na 30porcento, só 14,00).  Continue lendo

Send to Kindle

11 setembro, 2014

A força verbal de Yuri Herrera

Postado por Isabela Gaglianone

Diego Rivera

O livro Señales que precederán al fin del mundo, do mexicano Yuri Herrera, é considerada uma das mais belas e precisas novelas escritas em língua espanhola nesta virada de século. Herrera recria a história mexicana, através de suas lendas do passado e do presente, amalgamando seu território real a seu território imaginário mitológico, resquício das culturas pré-colombianas.

Através das nove etapas dos mitos, a protagonista Makina, personagem cuja realidade não encontra paralelos na literatura contemporânea, atravessa esta história fabulosa.

Nas palavras de Elena Poniatowska, o livro é escrito “Com uma precoce sabedoria que somente se adquire com a dor. Yuri Herrera expõe as falácias humanas, o mundo dos subúrbios, das adegas, dos prostíbulos e de suas marcas, a droga, as armas, a morte”.   Continue lendo

Send to Kindle

10 setembro, 2014

A semântica de 1848

Postado por Isabela Gaglianone

Fazem dez anos da publicação brasileira do livro Terrenos vulcânicos, de Dolf Oehler. O livro reúne alguns textos, dentre a vasta produção do autor, escritos produzidos ao longo dos anos 1970 e 1980, selecionados neste volume por sugestão do crítico Roberto Schwarz, a quem o livro é dedicado. Os textos versam sobre as artes francesas na primeira metade do século XIX, comentam autores como Heine, Baudelaire e Flaubert e artistas como Daumier investigando suas lúcidas análises da modernidade então nascente. Sob a luz do aparato teórico de Marx, de um lado, Freud, de outro, rebatendo críticas como as de Brecht e Sartre, Oehler mostra como as aspirações revolucionárias de 1848, bem como seu fracasso, foram mimetizadas nas obras literárias dos autores analisados por meio da correspondência entre substrato social e estrutura psíquica das personagens.

Os ensaios foram traduzidos José Bento Ferreira, Luís Repa, Márcio Suzuki e Samuel Titan Jr.

Continue lendo

Send to Kindle

9 setembro, 2014

Complexas relações: democracia e totalitarismo

Postado por Isabela Gaglianone

“O ódio à democracia é tão velho quanto a democracia: a própria palavra é a expressão de um ódio”.

A Boitempo acaba de lançar O ódio à democracia, do filósofo francês Jacques Rancière, ensaio sucinto e provocativo, que com irreverência e erudição, evoca momentos da história da filosofia política para analisar alguns dos principais impasses nos quais se encontra hoje a democracia e a esquerda. Rancière aponta uma mutação ideológica, a democracia não mais opõe-se, virtuosa, ao horror totalitário, ela é, atualmente, exportada pelos governos pela força das armas, ao passo que reina silencioso um “individualismo democrático”, que sob  as injúrias do “igualitarismo”, esvazia os valores coletivos e forja um novo totalitarismo.

Continue lendo

Send to Kindle

8 setembro, 2014

Recife de metáforas

Postado por Isabela Gaglianone

Um interessante livro sobre a constante transmutação das línguas, O desenrolar da linguagem, de Guy Deutscher, chega ao leitor brasileiro pela Mercado de Letras, com tradução de Renato Basso e Guilherme Henrique May.

Deutscher, lingüista, investiga o papel da metáfora, enquanto meio para a evolução e transformação da linguagem. O livro desenvolve-se de uma maneira simples, com exemplos precisos.

Para o autor, a linguagem é “um recife de metáforas mortas”, pois usamos palavras cujo significado original perdeu-se com o tempo: tão usadas em sentido diferente, já ninguém mais se lembra do significado original. As mudanças lingüísticas são, portanto, naturais e incontingentes, segundo Deutscher.

Continue lendo

Send to Kindle

5 setembro, 2014

Literatura de trincheiras

Postado por Isabela Gaglianone

Tempestades de aço foi a obra de estreia de Ernst Jünger, considerada por André Gide como a mais bela da literatura de guerra. O livro une ficção a anotações dos diários do autor, a vida nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial, perpassando toda a trajetória de Jünger dentro do exército alemão, comentando seus companheiros, as batalhas e os ferimentos. A narrativa, apesar do tema difícil, é poética e envolvente. Esta edição brasileira, publicada no ano passado pela CosacNaify, foi traduzida por Marcelo Backes, tem texto de orelha de João Barrento e conta também com ilustrações selecionadas dos diários de guerra do autor.

Continue lendo

Send to Kindle

4 setembro, 2014

Deslocamentos

Postado por Isabela Gaglianone

Claude Levi-Strauss

O olhar distanciado, de Levi-Strauss, proporciona um rico diálogo entre antropologia e história.

Através do manejo dos conceitos de parentesco, organização social, mitologia, ritual, arte, o livro apresenta-se como um pequeno tratado, que compreende a etnologia como responsável por entender de que modo cada sociedade realiza uma “retomada sintética”, sempre original, de um conjunto de elementos que é, em suma, o mesmo para todas.

A antropologia estrutural, sobretudo com sua prática de olhar distanciado, esclarece e analisa as diferenças culturais.  Continue lendo

Send to Kindle

3 setembro, 2014

Pierre Verger, “50 anos de fotografia”

Postado por Isabela Gaglianone

Quando tudo o que se chamava arte se paralisou, o fotógrafo acendeu sua lâmpada de mil velas e gradualmente o papel sensível à luz absorveu o negrume de alguns objetos de consumo. Ele tinha descoberto o poder de um relampejar terno e imaculado, mais importante que todas as constelações oferecidas para o prazer dos nossos olhos.

– Tristan Tzara.

A fotografia assegura a possibilidade de um registro temporal autônomo na sua maneira de apreensão do singular, é uma prática discursiva, a um tempo linguagem artística e histórica. O tempo que a fotografia capta e preserva é um tempo de gênese ontológica, tempo enfim incontingente. Eis porque a fotografia pode ser lida como texto.

As fotografias de Pierre Verger são narrativas condensadas, de certa forma pairam: nelas, há um movimento infinito plasmado, pois ecoam, em si, a captação profunda e imediata do âmago das culturas que registram, culturas encarnadas nos olhares, gestos, cenas – precisos e líricos.  Continue lendo

Send to Kindle

2 setembro, 2014

Eucanaã Ferraz, “Sentimental”

Postado por Isabela Gaglianone

Estranha matéria, que sobe do fundo

à flor da memória camada de espuma

diário de bordo vem quebrar aqui

(…)

  _trecho de “Talvez hoje”

O verso, nas línguas, dizem tantos filósofos, antecede a prosa. Por ser mais imediato, por ser mais sentimental. A linguagem poética permanece existindo como verso e então não deixa de se estender por uma prosa, porém, invisível: suas palavras, suas imagens, ecoam-se entre si e interiorizam discursos inteiros sem nem precisar proferi-los. As imagens poéticas encerram um círculo hermenêutico de compreensão da parte pelo todo e do todo pela parte. O último livro de Eucanaã Ferraz particulariza em si essa coesão e Sentimental é um desdobramento semântico da própria palavra que lhe dá título, vai de um sarcasmo melancólico, sensorial, a uma leveza quase etérea, corredeira de figuras mágicas.

xilogravura de Loizel Guimarães

Continue lendo

Send to Kindle

1 setembro, 2014

O livro por vir

Postado por Isabela Gaglianone

blanchot-livro-por-vir

– Meu sonho já durou setenta anos. Afinal, ao recordar, não existe ninguém que não se encontre consigo mesmo. É o que nos está acontecendo agora, só que somos dois. Você não gostaria de saber algo do meu passado, que é o futuro que o espera?
Borges, “O outro”.

Um pensamento sem imagem que não se deixa representar, a revolver o tempo em uma forma circular, ao qual pertence a reminiscência ininterrupta, que, como um bom lance de dados, afirma todo o acaso de uma só vez – a experiência da literatura resguarda a necessidade de que se possa, em cada obra, “reservar o indeciso na decisão, preservar o ilimitado junto ao limite, e nada dizer que não deixe intacto todo o espaço da fala sobre a possibilidade de dizer tudo” (p. 149).

Maurice Blanchot, em O livro por vir, retira do âmago da experiência literária a circularidade do tempo na qual a literatura de maneira geral se desenvolve como problema, pois cada obra é uma experimentação, cada vez renovada, do tempo da transparência da linguagem, através da qual a imaginação transforma a realidade em ideia. Continue lendo

Send to Kindle

29 agosto, 2014

Antropologia filosófica

Postado por Isabela Gaglianone

Imagem do livro “Saudades do Brasil”

“A ideia de que o nome e a essência se correspondem em uma relação intimamente necessária, que o nome não só designa, mas também é esse mesmo ser, e que contém em si a força do ser, são algumas as suposições que a própria pesquisa filosófica e científica também parecia aceitar. Tudo aquilo que no próprio mito é intuição imediata e convicção vívida, ela converte num postulado do pensar reflexivo para a ciência da mitologia; ela eleva, em sua própria esfera, ao nível da exigência metodológica a íntima relação entre o nome e a coisa, sua latente identidade.” – E. Cassirer, Linguagem e mito.

Um trabalho antropológico baseado em pesquisas etnográficas a começar pelo título O pensamento selvagem pode, a princípio, não sugerir a verdadeira intuição que busca desenvolver, cujo cerne é profundamente filosófico. Trata-se não da investigação do pensamento supostamente primitivo dos ditos povos selvagens, mas de uma ampla reflexão sobre o pensamento em si mesmo, tomado em sua essência, em seu estado selvagem, ou primeiro. As conclusões de Lévi-Strauss sobre o pensamento selvagem, especialmente ao serem regidas pela análise, comparativa e metafórica, da linguagem em relação aos modos de pensar ou conhecer as coisas no mundo, mostram que os universos mítico e linguístico entrelaçam-se, como estruturas construídas por uma qualidade arquitetônica da razão. Continue lendo

Send to Kindle

28 agosto, 2014

Nem tão silencioso

Postado por Isabela Gaglianone

Miguel Rio BRanco, fotografia de Silent Book

Miguel Rio Branco é um dos principais fotógrafos brasileiros. Ex-fotógrafo da Agência Magnum, já teve seu trabalho contemplado por importantes prêmios internacionais. Boa parte de seus livros, infelizmente no Brasil encontram-se esgotados. A CosacNaify lançou em 2012 uma segunda edição de Silent Book, com textos apenas em inglês.

Neste livro, o fotógrafo constrói um retrato marcante da latinidade, compondo um painel um tanto barroco e dramático, enquadrando objetos arruinados, circos pobres, prostíbulos baratos e academias de boxe. As imagens expõem a vida urbana com um lirismo complexo, contrapondo a violência à delicadeza.

Continue lendo

Send to Kindle

27 agosto, 2014

Meandros de literatura e cinema

Postado por Isabela Gaglianone

Novo romance de Antonio Xerxenesky, F, lançado pela Editora Rocco, é permeado pela figura de Orson Welles e seu filme “F for fake”, cujo título no Brasil foi traduzido como “Verdades e mentiras”, e que coloca em questão os conceitos de autoria e autenticidade na arte. O livro é protagonizado por Ana, uma jovem brasileira, assassina de aluguel, que desde a adolescência desenvolve seu especial talento no manejo de armas e que é contratada para infiltrar-se na equipe de produção e matar Welles. A personagem traça, para tanto, o perfil psicológico do cineasta, investigando-o através de seus filmes. Xerxenesky entronca as histórias de Welles e de sua assassina, ao mesmo tempo que os transforma em metáforas do cinema e da literatura, do autêntico e da cópia.  Continue lendo

Send to Kindle

26 agosto, 2014

Certezas antropológicas contra as incertezas feministas ou vice-versa

Postado por Isabela Gaglianone

A CosacNaify acaba de publicar O efeito etnográfico, coletânea de dezesseis dos artigos mais influentes da antropóloga britânica Marilyn Strathern, publicados entre 1980 e 2004. Os textos foram traduzidos por Iracema Dulley, Jamille Pinheiro e Luísa Valentini e o volume conta com texto de quarta capa escrito por Eduardo Viveiros de Castro.

Strathern, autora de O gênero da dádiva (UNICAMP, 2006) aborda temas diversos como as categorias etnográficas de doméstico e selvagem, gênero, parentesco, economias da dádiva versus economia da mercadoria, noção de pessoa, evento histórico, cultura material, técnicas de fertilização, direitos de propriedade intelectual, além de empreender uma reflexão sobre a própria antropologia.  Continue lendo

Send to Kindle

25 agosto, 2014

República Doméstica

Postado por Isabela Gaglianone

Altair Martins. Fotografia de Carlos Macedo / Agencia RBS

Terra avulsa, de Altair Martins, é um romance sofisticado, em que prosa, poesia e fotografia dialogam entre si, formando a estranha história de um homem que funda um país dentro de seu apartamento. Em choque com a brutalidade do mundo, ele vive recluso em sua casa, traduzindo, ou inventando, poemas de um poeta nicaragüense. Os poemas versam sobre objetos cotidianos, que convivem com este exilado urbano.

O autor conta em seu site que Terra avulsa, seu segundo romance, é resultado dos seus “estudos no doutorado em Letras da UFRGS. Nesta narrativa, Pedro Vicente é assaltado e tem roubados os documentos. A partir daí, tranca-se, solitário, num apartamento do centro de Porto Alegre, onde funda um país de 55 m2 para renunciar ao Brasil. Patriota da avulsão, Pedro traduz poemas do poeta nicaraguense Javier Lucerna, ao mesmo tempo em que escreve, a partir de fotos de sua editora, Eudora, sobre os objetos que o cercam para preencher sua nação. Enquanto a história de sua República Doméstica corre, Pedro mergulha na memória familiar de Guaíba, buscando descobrir quem é sua mãe (Pedro foi dado pela mãe biológica, sua mãe adotiva morreu, e Izolina, uma madrinha monstruosamente feia, o criou como mãe; é a ela, também, que Pedro tenta renunciar).

Talvez Pedro me permita ver o Brasil do desvio, o que busco operar, também, em termos de macronarrativa. Continue lendo

Send to Kindle